top of page

Brasil tem 47 casos suspeitos de hepatite desconhecida

Surto soma 429 registros no mundo e ainda não teve origem identificada; principais hipóteses são adenovírus e covid-19

por Malu Mões, via Poder 360

Pouco mais de 1 mês depois de ter alertado sobre um novo surto de hepatite no Reino Unido, a OMS (Organização Mundial da Saúde) já contabilizou 429 casos e 6 mortes causadas pela doença. Segundo a instituição, eram 80 relatos em 15 de abril de 2022. Na 3ª feira (17.mai.2022), esse número mais do que quintuplicou.

Hepatite é qualquer inflamação no fígado. Mas o surto atual difere dos todos os registros médicos anteriores. Os exames não encontraram nenhum dos fatores clássicos da doença e a origem dos episódios ainda não foi definida. Também chama a atenção dos especialistas os relatos serem só de crianças e adolescentes até 16 anos. Os jovens são acometidos de casos graves –algo incomum.

Não é novidade termos uma hepatite em que não descobrimos a causa. O que não é esperado é esse número”, diz o hepatologista Leonardo Schiavon. Professor da Universidade Federal de Santa Catarina e coordenador do serviço de gastroenterologia do hospital universitário da instituição, afirma que os casos sem causa definida geralmente são pontuais e não aparecem em grupo, como agora.

A responsável pelo programa de hepatites da OMS, Philippa Easterbrook, se soma à fala de Schiavon. “Casos de hepatite em crianças sempre ocorreram, mas eram raros. Estamos trabalhando em vários países para coletar informações melhores para estabelecer se há algum caso comum”, disse em entrevista a jornalistas na 3ª feira.

A nova versão da doença não se enquadra nos exames tradicionais. O resultado é negativo para as hepatites A, B, C, D e E. Os episódios estão sendo classificados como uma inflamação no fígado aguda e severa de causa desconhecida. Popularmente, é chamada de “hepatite misteriosa”.

Só são considerados como casos prováveis dessa nova versão os pacientes com testes negativos para todas as versões tradicionais. Antes que haja tal confirmação, são tratados apenas como suspeitas.

O Brasil tem 47 casos suspeitos em análise, segundo dados do Ministério da Saúde de 4ª feira (18.mai). A maioria em São Paulo (14) e em Minas Gerais (7). Contudo, esses pacientes ainda precisam concluir a lista de testes para serem confirmados ou descartados. Onze casos já foram dispensados.

A pediatra hepatologista Eleonora Druve, professora da Universidade Federal de Minas Gerais e médica no hospital das clínicas da faculdade, diz haver dificuldades para a confirmação dos casos no Brasil. “Nem todos os exames estão disponíveis em todos os Estados”.

Afirma que nesses casos os médicos devem enviar de forma rápida o material coletado para outra unidade da Federação.Poder360 todos os dias no seu e-mailconcordo com os termos da LGPD.

O QUE JÁ SE SABE SOBRE A HEPATITE DESCONHECIDA

O Reino Unido é o principal estudo de caso no mundo. É o país com o maior número de registros da nova hepatite. Até 10 de maio, eram 176 episódios –quase metade (41%) dos casos globais.

Druve, no entanto, diz que o sistema de vigilância do país é “invejável” e um dos melhores no mundo, o que facilita a identificação dos eventos.

Os britânicos foram os primeiros a informar os casos à OMS. Eles notificaram a organização em 5 de abril sobre 10 eventos na Escócia de uma inflamação no fígado sem origem identificável. Ocorrências anteriores –inclusive de 2021, como relatado pelos EUA– foram notificadas posteriormente.

O número de crianças atendidas com casos de hepatite aguda de origem desconhecida na Inglaterra só no começo de 2022 já é igual ou superior ao total anual de anos anteriores. A informação consta em um artigo publicado na revista científica Journal of Hepatology em 6 de maio.

Os pesquisadores da Universidade de Frankfurt, na Alemanha, realizaram um compilado das informações disponíveis até o momento sobre a doença. Eis a íntegra (638 KB). Contudo, ainda não se sabe se esse padrão de aumento de casos será visto em outros países.

No Reino Unido é muito evidente. No Brasil começou a ser reportado no final de abril. Mas existe um atraso para os exames ficarem prontos e serem colocados nas plataformas”, diz Druve, da UFMG. Ela também explica que por causa da notificação, as equipes ficam mais alertas e analisam com mais atenção os pacientes com o sintoma, levando a identificação de mais episódios –que não necessariamente estão relacionados a uma alta real de casos.

A Agência de Segurança em Saúde do Reino Unido tem realizado investigações, relatórios e levantamentos desde abril para entender a enfermidade. O último boletim do órgão foi divulgado em 6 de maio –leia a íntegra (3 MB).

Eis as principais informações encontradas até o momento:

  1. Idade – 57% dos infectados tem de 3 a 5 anos (a média foi de 3 anos);

  2. Adenovírus – o patógeno comum (responsável por resfriados, diarreias ou dor abdominal tradicionais) foi encontrado em 72% das crianças. É a principal hipótese de causa da doença (leia mais abaixo). O adenovírus 41F foi identificado em todas as amostras que conseguiram sequenciar o vírus (18 dos 91 exames positivos para o patógeno).

  3. Coronavírus – o vírus da covid-19 (SARS-CoV-2) foi observado em 18% dos pacientes;

  4. Cachorros – 70% das crianças tem cachorros ou foram expostas aos animais;

  5. Vacina contra a covid – agência nega haver evidências de relação dos casos da hepatite com o imunizante. Crianças com menos de 5 anos não podem receber a vacina no país.

  6. Sintomas – icterícia (pele e olhos amarelados) foi o principal sintoma, apresentado em 71% dos casos. É seguido de vômito 63%), fezes claras (50%), letargia (50%) diarreia (45%), dor abdominal (42%), náuseas (31%), febre (31%) e sintomas respiratórios (19%).

Outro monitoramento é realizado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças. O último informe é de 13 de maio e está disponível neste link. Os pesquisadores analisaram 229 casos europeu (131 britânicos e 98 de outros países).

Eis os dados:

  1. Idade – 76% dos casos foram em crianças com menos de 5 anos;

  2. Casos graves – 15% dos pacientes foram internados em UTI (unidades de terapia intensiva) e 13% passaram por transplantes de fígado;

  3. Adenovírus e coronavírus – os percentuais europeus são um pouco diferentes dos britânicos. O 1º vírus foi encontrado em 60% dos casos. O 2º, em 12%.

  4. Vacina contra a covid – só 16% receberam o imunizante.

Assim como os órgãos britânico e europeu, a OMS descarta haver relação entre a doença e a vacinação contra a covid-19.

As hipóteses relacionadas aos efeitos colaterais das vacinas não são suportadas atualmente, pois a maioria das crianças não recebeu a vacinação”, afirmou a instituição em comunicado de 23 de abril. Eis a íntegra (266 KB).

A OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) afirma ainda haver poucos dados sobre os casos nas Américas. “Por enquanto, o risco global é considerado baixo. E, como também não há certeza sobre a origem, existe a possibilidade de estarmos identificando uma situação que antes passava despercebida porque os casos eram muito poucos”, afirmou.

AS HIPÓTESES

Os estudos sobre a nova versão da hepatite são preliminares. “Continuamos investigando a origem e demorará algum tempo para estabelecer os mecanismos causais dessas doenças”, diz Philippa Easterbrook, da OMS. Mas algumas hipóteses já são formuladas entre os especialistas. As principais são as que envolvem o adenovírus.

Eis os cenários em debate:

  1. Crianças + suscetíveis ao adenovírus — nesse caso, a hipótese que ganha força seria que a falta de exposição ao patógeno durante a pandemia, por causa do isolamento, teria deixado o sistema imune dos menores mais fraco;

  2. Onda maior de adenovírus — o aumento do número de casos poderia fazer uma complicação rara ao vírus aparecer com mais frequência;

  3. Covid seguida de adenovírus — uma 1ª infecção do Sars-CoV-2 (ou outro vírus) poderia deixar as crianças mais suscetíveis ao adenovírus;

  4. Covid + adenovírus — a coinfecção dos vírus poderia desencadear o quadro;

  5. Adenovírus + substância — reação anormal ao adenovírus por causa de uma exposição ambiental, a um remédio ou a uma toxina;

  6. Novo adenovírus — uma nova variante do vírus;

  7. Pós-covid — uma síndrome pós-infecção do coronavírus (que poderia estar restrita a um efeito só da ômicron);

  8. Fatores externos — exposição a uma droga, toxina ou agente ambiental;

  9. Novo patógeno — agindo sozinho ou como coinfecção.

  10. Nova variante da covid — também é citada.

ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

O governo federal criou uma sala de situação para monitorar os casos brasileiros em 13 de maio.

A iniciativa tem como objetivo apoiar a investigação de casos da doença, bem como o levantamento de evidências para identificar possíveis causas”, disse o ministério.

O espaço funcionará durante a semana e tem a participação de técnicos do órgão, da Opas e de especialistas convidados.

O ministério publicou uma nota técnica sobre o tema em 9 de maio. O documento orienta os Estados sobre como proceder frente a casos suspeitos. Leia a íntegra (386 KB).

COMO PREVENIR E REAGIR

Especialistas ouvidos pelo Poder360 afirmam ser importante que os pais procurem atendimento médico para seus filhos e os mantenham em isolamento ao observarem sintomas suspeitos.

Transmissão do vírus entre crianças é muito mais fácil e é difícil o distanciamento”, disse Druve. Ela afirmou que as crianças não devem ser enviadas à escola.

O tratamento para a hepatite é só de suporte, com a aplicação de soro e uso de analgésicos e remédios para enjoo. A internação em UTIs pode ser necessária em casos mais graves. E nos piores quadros, transplantes de fígado.

Os médicos recomendam medidas não farmacológicas (que foram usadas contra a covid-19) para a prevenção. “Continuar higienizando as mãos, educar as crianças sobre a higiene e tomar cuidado com crianças com problemas respiratórios”, orienta Druve.

1 visualização0 comentário
bottom of page