top of page

Brasil: pobreza cresce em 23 estados e no DF durante a pandemia

Por: Isabela Alves, via Observatório do Terceiro Setor

Pobreza cresceu principalmente no Distrito Federal, Roraima e Rio de Janeiro. Apenas Acre, Pará e Tocantins não apresentaram piora nos índices

A pandemia aumentou os índices de pobreza em 23 estados brasileiros e no Distrito Federal. A informação foi divulgada em um estudo realizado por Daniel Duque, economista e pesquisador da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre).

O estudo analisou o período de novembro de 2019 a janeiro de 2021, e considerou índices de pobreza do Banco Mundial, cuja renda per capita é de até R$ 400 ao mês. Apenas Acre, Pará e Tocantins não apresentaram piora nos índices de pobreza.

As maiores expansões de pobreza ocorreram no Distrito Federal, Roraima e Rio de Janeiro. Em 1º lugar se encontra o Distrito Federal, onde a taxa de pessoas na pobreza subiu de 12,9% para 20,8% no período.

Em relação a Roraima, Duque destacou que o estado vive uma situação peculiar, já que recebe refugiados da Venezuela que chegam ao Brasil sem perspectivas e sem a possibilidade de se inserir no mercado de trabalho.

No Rio de Janeiro, o incremento foi de 6,9 pontos percentuais, passando de 16,9% em 2019 para 23,8% em 2021. O estado também foi o segundo com a maior alta na concentração da população mais pobre.

Em São Paulo, a taxa chegou a 19,7%, com alta de 5,9 pontos percentuais em relação à taxa de 13,8% no final de 2019. Na região Nordeste, o Piauí teve a maior alta, indo de 41,1% para 46,4%.

O pesquisador combinou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad contínua), do primeiro trimestre de 2019 com a Pnad-Covid, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os levantamentos trazem informações sobre a renda da população entre janeiro de 2019 e novembro de 2020. 

Imagem: Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

0 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page