top of page

Apenas Brasil e Turquia têm inflação e desemprego de dois dígitos

Entre as grandes economias do mundo, apenas Brasil e Turquia têm, atualmente, taxas de dois dígitos de inflação, juros e desemprego

Entre as grandes economias do mundo, apenas dois países têm, atualmente, taxas de dois dígitos de inflação, juros e desemprego. E o Brasil é um deles. O outro país é a Turquia. Os dados são de um levantamento feito para o g1 pela agência de classificação de risco Austin Rating.

A Argentina e a Rússia também estão no topo dos rankings das maiores taxas de inflação e de juros básicos do mundo, mas mantêm um desemprego abaixo de dois dígitos. Já a África do Sul e a Espanha possuem desemprego superior ao do Brasil, mas inflação e juros bem menores.

No Brasil, taxas de dois dígitos nos 3 indicadores não eram registradas desde a recessão de 2016. Considerando os dados oficiais desde 2012, quando começou a série atual da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), essa “tríplice coroa” só ocorreu em 4 meses, segundo a Austin.

“Essas 4 ocasiões foram as únicas vezes em que houve 2 dígitos nos três indicadores. Agora neste ano que passou a ser recorrente”, afirma o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, autor do levantamento.

Já são 8 meses seguidos com a inflação anual acima de dois dígitos no Brasil, segundo mostraram os dados do IPCA divulgados pelo IBGE. A Selic superou os 10% em fevereiro e foi elevada no último dia 4 de maio para 12,75% ao ano – maior patamar desde 2017. Já a taxa de desemprego ficou em 11,1% no 1º trimestre e se mantém em dois dígitos desde o final de 2015.

Mais do que indicar uma situação econômica bastante ruim no Brasil, a conjunção de taxas de dois dígitos de inflação, juros e desemprego escancara os efeitos das sucessivas crises dos últimos anos e dos problemas estruturais da economia brasileira, que há anos vem registrando baixo crescimento.

O economista explica que, embora a inflação tenha se tornado um problema global, puxada principalmente pela disparada dos preços da energia e de commodities, em países como os Estados Unidos ela também tem sido alimentada pela situação de praticamente pleno emprego.

“Nos Estados Unidos, há renda para absorver a alta da inflação. Então é natural que se tenha um juro também maior. Já no Brasil, a gente não tem um mercado de trabalho para absorver essa inflação alta e os juros têm que subir para combater essa inflação de custos”, observa.

Fonte: G1

Imagem ilustrativa/ Foto: Adobe Stock

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page